Ronco e Apneia Obstrutiva do Sono

O Ronco é um problema social sério e atinge cerca de 30% da população e provoca problemas de convivência com o cônjuge (pode causar até separações), familiares e com os amigos e, geralmente, a pessoa que ronca se torna um alvo de brincadeiras. E acontece por conta da vibração dos tecidos da garganta (parede posterior da Faringe, dorso da língua, palato mole e úvula), que em função da turbulência do ar à medida que as vias aéreas se estreitam, emitem sons que caracterizam o ronco. Outros agentes também podem propiciar e agravar significativamente o ronco como, por exemplo, a obesidade, a respiração bucal, o uso de cigarro e álcool.

 

ronco

Ainda, em muitos casos o ronco pode ser sintoma de outros problemas como a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, uma doença grave (quando em níveis mais elevados) e interfere de modo importante no agravamento de doenças como a hipertensão, enfarte do miocárdio e AVC (derrame), que podem causar a morte do paciente.

 

 

 

Entenda melhor:

A Apneia do sono é a obstrução das vias aéreas por alguns momentos durante a noite. Isso acontece devido a aproximação dos tecidos da garganta que fecham a passagem do ar, impedindo a respiração por alguns segundos, várias vezes por noite. Já o ronco é a vibração dos tecidos da garganta quando o ar passa. Esses sintomas são mais frequentes nos homens a partir dos 30 anos e nas mulheres a partir da menopausa.

Recentemente o tratamento pode ser feito por meio de aparelhos orais, aos quais tem ganhado importância como tratamento, especialmente, porque oferecem eficácia e facilidade de adaptação. Com isso, tem se caracterizado  como uma principais escolhas para correção.

 

Os principais sintomas da apneia do sono são: Ronco e Sonolência diurna excessiva.

Os tratamentos mais eficazes para o tratamento da apneia do sono são:

É indicado o uso de aparelhos de pressão positiva, que são compostos por um compressor de ar,  um tubo e uma máscara que injetam ar nas vias aéreas, mantém as paredes da faringe afastadas e impede o colapso da via aérea. Tem sua indicação principal nos casos de apneias moderadas ou graves e são adaptados pelo médico especialista em sono.

As cirurgias indicadas podem ser a redução dos tecidos da garganta (UVULOPALATOFARINGOPLASTIA) através da remoção da úvula e parte do palato mole e das cirurgias para avanço uni ou bi-maxilar (CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS), que consistem no avanço da parte óssea bucal (maxila e mandíbula). Essas técnicas são realizadas pelo Otorrino (Uvulopalatofaringoplastias) ou pelo Cirurgião Bucomaxilofacial (Ortognáticas).

Os aparelhos orais são compostos por placas presas aos dentes que articulam entre si e promovem avanço da mandíbula e, com isso, afastam os tecidos da garganta evitando o ronco e a apneia do sono. De fácil adaptação, são indicados nos casos de ronco primário (sem apneia) e nas apneias obstrutivas leves e moderadas. Tem sido a alternativa mais conservadora no tratamento do ronco e da apneia do sono. São adaptadas por dentistas com conhecimento e treinamento em medicina do sono.